Search

Crítica – Manchester à Beira Mar

2017 começou com um drama perfeito, fazia muito tempo que eu não assistia um filme do gênero produzido e dirigido de forma impecável. O longa tem sido muito bem cotado em todas as premiações, inclusive já ganhando alguns prêmios, é quase certa sua indicações ao Oscar em algumas categorias, e acredite em mim quando digo que toda essa comoção é completamente merecida.

O filme fala sobre uma tragédia que mudou a vida de um rapaz, as dificuldades de continuar a vida depois de estar completamente quebrado, e a importância das relações familiares em momentos difíceis. Durante as 2h18min é possível sentir várias emoções diferentes, o drama é bastante comovente mas também engraçado e afetuoso, tudo na medida certa, o que é reflexo de um roteiro perfeito com diálogos reais, simples e interessantes.

É possível enxergar o trabalho do diretor Kenneth Lonergan durante todo o longa que além de todas as características citadas a cima, ainda tem um visual incrível e uma fotografia perfeita.

Apesar do ótimo trabalho com roteiro, direção e produção o grande feito do filme são as interpretações. Todo o elenco apresenta um trabalho maravilhoso, é possível entender todos os sentimentos dos personagens, mesmo nos momentos em que os diálogos são mais escassos, Michelle Williams (Randi Chandler) está maravilhosa como coadjuvante, com uma atuação emocionante em quase todos momentos. Lucas Hedges (Patrick) faz um trabalho muito bom como alivio cômico do longa e também dá um show de interpretação, mas ninguém é tão bom como Casey Affleck (Lee Chandler), o ator já levou o Globo de Ouro de Melhor ator em drama pra casa por conta do papel, e não me surpreenderia se fosse dele também o Oscar de melhor ator, o personagem tem poucos diálogos com frases curtas, mas o ator consegue transbordar emoção do início ao fim.

O filme é sem dúvida obrigatório para os amantes da sétima arte. Além de ser um dos queridinhos das premiações, após o drama emocionante você sairá da sala de cinema reflexivo e agradecido.



Cinéfila com fobia a filme de terror. Teve como primeiro amor Harry Potter, mas hoje o seu futuro marido é ninguém menos que Tony Stark. Adora rever filmes, prefere super produções e ainda não assistiu O Poderoso Chefão!