Search

Crítica – O Contador

Outro filme que a Warner me deixou bem ansiosa depois de assistir o trailer, tentei não criar muitas expectativas, mas é inevitável.

O filme gira em torno de um tema muito interessante e relativamente ainda pouco explorado no universo cinematográfico, a Síndrome de Asperger.
Christian Wolff (Ben Affleck) tem uma infância bem difícil, diagnosticado no início da adolescência, foi abandonado pela mãe, e o pai ex soldado do exército é contra o tratamento e resolve cuidar do problema do filho da sua maneira.

A história é muito envolvente, apresenta de forma interessante o dia a dia de um gênio que lida com os seus problemas sozinho. Eu só acho existia a necessidade de trabalhar a questão da Síndrome de Asperger de maneira mais clara, eu achei que para o público ficou faltando informações com relação a esse assunto.

O filme explica toda a história, existem diversos flashbacks da infância, e no início da vida adulta, explicando todo o comportamento do protagonista, eu particularmente gosto de histórias contadas dessa forma, mas O Contador erra na dose em determinado momento, me frustrando um pouco.

Com um elenco bem estrelado, quase todas as carinhas são conhecidas pelo grande público. Ben Affleck como Christian Wolff está divino, vale a atenção para os detalhes no comportamento do personagem que foram muito bem desenvolvidos, os movimentos repetitivos, os olhares perdidos, e as manias e crises apresentadas ao longo do filme, nosso Batman faz um trabalho bem cuidadoso com esses detalhes. Anna Kendrick como Dana Cummings manda bem, mas me faltou um pouco de realidade nas reações, ela encara a merda toda com poucas reações chocantes, e atenção para Jeffrey Tambor (Francis Silverberg) que aparece bem pouco para a minha tristeza, mas tem um papel super importante para o desenvolvimento da história. O resto do elenco manda bem e convence, mas também não existe nenhum interpretação fora da curva.

É um filme bom, com cenas de ação bem montadas e interpretadas. Alguns deslizes, mas nada que comprometa o andamento completo do longa, vale a ida no cinema, as 2h:10M passam sem que a gente perceba.



Cinéfila com fobia a filme de terror. Teve como primeiro amor Harry Potter, mas hoje o seu futuro marido é ninguém menos que Tony Stark. Adora rever filmes, prefere super produções e ainda não assistiu O Poderoso Chefão!